Um ano depois!

Um ano depois!

Continuamos a combater os efeitos do fogo…

Apesar da natureza já encobrir os vestígios da catástrofe, as imagens do dia 15 de outubro de 2017 continuam bem presentes nas nossas memórias, até porque, de uma forma diferente, as intempéries do último fim de semana vieram relembrar os momentos de pânico e de angústia.

A perda de vidas, a devastação florestal, a destruição de casas e de instalações industriais, provocaram efeitos económicos, ambientais e principalmente sociais, que originaram uma consciencialização da problemática dos fogos florestais, promovendo uma mudança de atitudes e comportamentos da sociedade. Mas ainda assim, os efeitos continuam.

Ao longo deste ano tem sido enorme o trabalho efectuado pelas entidades envolvidas, mas o desânimo e a frustração continuam a pairar nas nossas mentes. Apesar das linhas de apoio, através do Programa de Apoio à Reconstrução de Habitação Permanente, as habitações continuam por reconstruir; apesar dos sistemas de incentivos disponíveis para as empresas, algumas continuam sem actividade; apesar das medidas de apoio às entidades empregadoras, muitas pessoas continuam sem emprego.

Na visita efetuada às populações, no dia em que passou um ano sobre estes acontecimentos, foi isso mesmo que foi possível constatar: o desânimo pela complexidade dos processos, pela burocracia, a frustração pelo andamento dos trabalhos, e várias famílias que continuam a viver em situações temporárias.

Mas, também encontrámos verdadeiros exemplos de perseverança, de quem, apesar das contrariedades, não baixou os braços e colocou “mãos à obra” com uma vontade enorme de renascer das cinzas.

Relembramos com dor o que se passou há um ano, mas a vida é um constante recomeço, não nos podemos dar como derrotados e temos que seguir em frente …




Um ano depois!